O Fundador

A Congregação dos Padres Marianos da Imaculada Conceição foi fundada em 1673, pelo Beato Estanislau Papczyński, na Polónia.
P. Estanislau Papczyński nasceu a 18 de Maio de 1631, em Podegrodzie, diocese de Cracóvia, na Polónia. No baptismo, deram-lhe o nome de João.
Depois de uma adolescência e juventude marcadas pela aventurada e pela dor, em que abandonou, por cerca de dois anos, a casa dos pais, João faz os seus estudos, primeiro, no Instituto das Escolas Pias, e, depois, no colégio dos Jesuítas, onde fez os estudos humanísticos, e, em 1654, conclui o curso bienal de Filosofia.
Foi, provavelmente, aos 19 anos, durante os seus estudos no Instituto dos Piaristas, que João se sentiu chamado para ser religioso nessa congregação. É a 2 de Julho de 1654, já com 23 anos, que decide entrar para o Instituto das Escolas Pias da Mãe de Deus (Piaristas), recebendo o nome de Estanislau de Jesus Maria.
Naquele tempo a Polónia tinha sido invadida pelas tropas suecas. Certo dia, o noviço Estanislau foi agredido por um soldado sueco, protestante. Quando este puxou da espada para o matar (provavelmente, só porque viu nele, pelo hábito que vestia, um representante da Igreja Católica), Estanislau apresentou-lhe o pescoço para receber o golpe fatal, na esperança de poder dar a própria vida pela verdadeira fé. O soldado deu-lhe três golpes, os quais, porém, não lhe causaram senão uma intensa dor.
Emitiu os votos na Congregação dos Piaristas a 22 de Julho de 1656.
Ainda antes de ser ordenado padre, foi professor de Retórica durante 5 anos nos colégios da sua Congregação. A 12 de Março de 1661 é ordenado sacerdote. Continua como professor de Retórica até 1669. Sobre o assunto escreve um livro intitulado Introdução à Rainha das Artes, que foi publicado, pela primeira vez, em 1663, sendo muito apreciado.
Exerceu primorosamente o ofício de pregador, conquistando depressa o renome de “Orador famoso”.
Por defender que a eleição de todos os superiores da Província polaca da Congregação dos Piaristas fosse feita pelo Capítulo Provincial, de acordo com a legislação da Igreja e por defender a fiel observância da regra nas comunidades da sua Província, entrou em conflito com os superiores, tendo sido considerado um “perturbador da Província”. As constantes e graves perseguições promovidas pelos superiores à sua pessoa, o relaxamento da observância da vida religiosa entre os Piaristas, o desejo de estabelecer a paz e a tranquilidade entre os membros divididos, por causa dele, em duas facções opostas e o impedimento imposto pelos superiores à sua actividade literária foram as principais razões que levaram o Pe. Estanislau a sair da Congregação dos Piaristas, em 1670. Mas, no acto formal da saída, o Pe. Estanislau acrescentou uma solene proclamação (Oblatio) da sua plena adesão à segunda vocação religiosa, ou seja, a de iniciar um novo Instituto religioso, o dos Clérigos Marianos da Imaculada Conceição, e de viver nele segundo o espírito dos conselhos evangélicos, até à morte.

A grande aventura e missão do Beato Estanislau de Jesus Maria Papczyński foi, sem dúvida, a fundação da Ordem dos Marianos da Imaculada Conceição.
Depois de muitas dificuldades passadas para obter a dispensa dos votos simples e do juramento de perseverança no Instituto dos Piaristas, em Setembro de 1671, veste o hábito branco em honra da Imaculada Conceição, pela qual era um apaixonado.
O P. Estanislau apresentou o seu projecto (expresso na Norma de vida) de fundação do Instituto da Imaculada Conceição a um grupo de eremitas de Korabiew, que aceitou, iniciando assim a primeira comunidade do novo instituto. A 24 de Outubro de 1673, o bispo da Diocese visitou esta comunidade, reconhecendo a Norma de vida do P. Estanislau e acrescentando-lhe uns Estatutos, dados por ele. Esta é reconhecida como a data da fundação da Congregação dos Marianos da Imaculada Conceição.
Em 1690, o Bem-aventurado Estanislau vai a Roma a fim de tratar da aprovação pontifícia do Instituto. Depois de perder a esperança de obter a aprovação com base nas próprias Constituições, decidiu escolher uma Regra já aprovada pela Santa Sé e agregar-se a uma Ordem já existente. Escolheu a Ordem da Imaculada Conceição de Santa Beatriz da Silva (portuguesa) e a Regra da mesma. A sua escolha não foi aceite por se tratar de uma Ordem feminina e por a Regra não ter sido adaptada a institutos masculinos. Regressa à Polónia.
A aprovação pontifícia é dada a 24 de Novembro de 1699, pelo Papa Inocêncio XII, ficando a Congregação dos Marianos da Imaculada Conceição sob a Regra das Dez Virtudes da Bem-aventurada Virgem Maria, com a consequente agregação à Ordem dos Franciscanos, com a tríplice missão de:
Defender o mistério da Imaculada Conceição (Este dogma ainda não tinha sido definido. Foi esta a primeira Congregação masculina dedicada à Imaculada Conceição);
Oferecer sufrágios pelas almas do Purgatório (particularmente pelos falecidos na guerra e dizimados pela peste);
Prestar auxílio aos párocos (particularmente na catequese do povo simples).

Pe. Estanislau foi um intrépido apóstolo da abstinência das bebidas alcoólicas e determinou que essa fosse também uma característica da sua Ordem. Além da sua dedicação às obras de misericórdia espirituais, particularmente a do socorro às almas mais necessitadas do Purgatório, foi conhecido como um homem de “máxima caridade para com os irmãos” e apelidado de “Pai dos pobres”, “Pai dos necessitados e dos órfãos”.
A 14 de Abril do mesmo ano, O Servo de Deus Estanislau e os seus companheiros, convocados em Capítulo, aceitaram a Regra das Dez Virtudes Evangélicas de Maria e declararam-se prontos a emitir os votos solenes sob a mesma Regra.
A 16 de Junho de 1701, o Venerável Estanislau faz a sua profissão perante o Núncio Francisco Pignatelli, em Varsóvia, em que promete observar a Regra das Dez Virtudes, acrescentando a cláusula: “que não contrarie o espírito do nosso Instituto”. De seguida, recebe a profissão dos seus súbitos.
Pe. Estanislau de Jesus Maria Papczyński pode finalmente exclamar: “Agora, Senhor, podeis deixar partir o vosso servo em paz…”. E assim aconteceu: Frei Estanislau morreu, com fama de santidade, a 17 de Setembro desse mesmo ano, em Góra Kalwaria, onde está sepultado, na capela da Ceia do Senhor.
Foi beatificado no dia 16 de Setembro de 2007, no santuário de Líchen, Polónia.